Skip to content

Épico RPG, um genérico brasileiro em construção

05/09/2016

Desde que o Aventurando-se foi criado, há seis anos, tivemos uma trajetória mais ou menos constante na divulgação de RPGs alternativos (começando pelo ótimo Classroom Deathmatch, inspiração pro blog), e compartilhando o pensamento e as aventuras dos nossos autores no nosso querido hobby.

Nesse meio, sempre é um prazer incentivar a produção nacional de RPGs, mas, como já é esperado, sou influenciado pelos jogos que tenho contato. Ou seja, meu círculo doidão de amizades nesse mundo direciona muito do que experimento. Sendo amigo do ciborgue do Arroio do Silva então, fica difícil conseguir testar tudo que é produzido (se você não sabe do que eu estou falando, tome vergonha na cara e clique no Jogos a Lá Carte!!).

No entanto, vira e mexe surgem algumas coisas diferentes no horizonte, e é com prazer que o Aventurando-se apoio essas iniciativas. Sem demoras, lhes apresente o Épico RPG.

Épico RPG

Nas palavras do autor, Rafael Lopes Vivian:

Épico RPG usa um sistema original brasileiro para jogos de interpretação em qualquer cenário que a imaginação conceber.

Ok, um sistema genérico. Mas, e aí?

Fácil de aprender: diferente da maioria dos sistemas de RPG avançados, o Sistema Épico parte de uma base simples, com poucas regras para decorar e palavras familiares para qualquer um. Cada jogador só precisa de dois ou três dados comuns de seis faces.

Muito flexível: qualquer tipo de história ou cenário funciona no Épico RPG. Alta aventura, fantasia mágica, ficção científica, drama, terror, sobrenatural, super-heróis…

Mecânica realista: uma raridade hoje em dia, o Épico RPG busca um equilíbrio que a maioria dos jogos nem tenta ter. Mas não precisa ter medo de regras complicadas porque não tem: o mestre usa o nível de complexidade que desejar. Quer que o combate acabe rápido com menos roladas de dados e consultas ao livro? Vai firme. Mas se quiser abrir fogo de supressão contra um batalhão ou dar um chute no saco do inimigo, a regra está lá. Buscamos um realismo de ação, não de documentário.

Beta aberto grátis: o manual com todas as regras está disponível gratuitamente e é 100% jogável. Nesta etapa queremos que o máximo de pessoas possível comente e se envolva no desenvolvimento. Qualquer um que quiser pode até ser co-autor do projeto.

Ambicioso!
Gostou da proposta?

Cheque o próprio site do jogo:

Site do projeto: epicorpg.com.br
Download grátis do beta aberto completo: epicorpg.com.br/download
logo e camelot spire

Arte por Michael Richards, publicada sob licença Creative Commons Atribuição 3.0. Arte editada: recorte, brilho, saturação

 

Roll the bones,

Chico Lobo Leal

 

Apresentando… Mare Rosso

01/09/2016

Como produtor e, principalmente, entusiasta de RPGs há praticamente uma vida um longo tempo, fico fascinado em ver como este hobby tem inspirado autores de outras mídias mundo afora. A começar pelo indiscutível classico Caverna do Dragão (que serviu de porta de entrada para o D&D nos anos 80), pelos incontáveis romances de apoio a cenários consagrados de jogo (os de Vampiro: a Máscara são sensacionais para mostrar como DEVERIA ser o jogo) e até mesmo na produção de séries de televisão (como a hype mais recente, Stranger Things), o RPG tem se manifestado de muitas formas interessantes na cultura mais ampla – em vez de permanecer em seu próprio nicho.

E é justamente sobre uma criação oriunda de jogos narrativos que venho falar a vocês, caros leitores. Uma produção nacional e independente, que vale a consideração de vocês: Mare Rosso – Histórias e Contos de Vampiros.

 

Mare Rosso Capa

A capa do projeto já dá uma prévia do que vem por aí…

 

Terror em Noites Italianas

Mare Rosso é um projeto ousado, e ao mesmo tempo profundo, que mescla vampiros e quadrinhos (algo que há muito tempo não faz parte da cultura brasileira). Nas palavras de sua autora, a quadrinista e ilustradora Chairim Arrais, “Mare Rosso é um projeto que surgiu da vontade de tornar a paixão de grande parte da vida jogando RPG sobre vampiros em Quadrinhos.”

Estamos falando aqui de  anos (ANOS!) de Histórias, narradas ao redor de uma mesa, e que agora serão contadas por ela, e seus ilustres convidados.

“Mas, o que é exatamente Mare Rosso?”, você deve estar se perguntando. Como o bom cavalheiro que penso ser sou, deixarei que a autora nos conte com suas palavras:

Mare Rosso é uma cidade portuária fictícia, localizada ao Sul da Itália. É uma silenciosa observadora das histórias que nela acontecem, saboreando cada aventura, cada romance e cada tragédia protagonizados por vampiros e ouros seres misticos que em seu chão vivem e morrem.

Nesse revista de 56 páginas, com capa colorida e tamanho 15×21 serão contadas três histórias: “Purple Apple”, com roteiro de Ana Recalde e “Horror em Terras Italianas”, escrita por Cecília Reis, ambas com desenho da Chairim, e “Sob o Luar” escrita e desenhada por Andreia Carbonari.

Como se não bastasse brindar com boas histórias sobre vampiros, a HQ de Mare Rosso contará também com uma Galeria de ilustrações feita por outros convidados (todos nomes consagrados da cena nacional de quadrinhos): Sueli Mendes, Leonardo Maciel, Gabriela Dreher, Michel Ramalho, Ursula Dorada (SulaMoon) e Mariana Petróvana.

Claro que isso dependerá de você para isso tornar realidade…

A Campanha

Calma, leitor! Esses vampiros não precisarão do seu sangue para que sua HQ seja lançada, muito pelo contrário!

A campanha de financiamento coletivo de Mare Rosso teve início hoje, dia 1 de Setembro. E cabe a você, meu caro, a responsabilidade de ajudar a concretizar este projeto – principalmente se você é fã de quadrinhos e vampiros (não necessariamente nesta ordem).

Caso queira conhecer mais sobre o cenário, fique à vontade para visitar o blog oficial de Mare Rosso. Toda sexta-feira, sai uma página fresquinha de uma história em andamento. E lhes digo, camaradas: vale muito a pena acompanhar. :)

Claro, acesse a página da campanha de financiamento de Mare Rosso para não apenas ajudar a concretizar este projeto, mas para reconhecer o valor da cena nacional independente de quadrinhos – ampla e repleta de grandes talentos, como a própria Chairim.

Então, não fique fora dessa e faça parte desse projeto!

 

Mare Rosso Catarse

Se você não apoiar, provavelmente receberá uma visita noturna desse cara… e digo a vocês que isso não seria legal. e.e

 

Que Luna os ilumine, e até a próxima!

Monte Cook está novamente na cozinha: Invisible Sun

17/08/2016

No mundo RPGista, Monte Cook é um daqueles nomes que, quando ditos em voz alta, fazem as pessoas ao redor ficarem em silêncio e ver o que está acontecendo. O cara é responsável por centenas de livros, artigos, suplementos e o que mais tiver de produto relacionado ao RPG. É o autor do ótimo Arcana Evolved e um dos responsável pelo D&D 3a Edição, que, você gostando ou não, foi – e ainda é – um ícone na história do Dungeons and Dragons e, consequentemente, do RPG.

Numa era de “saturação de regras” (termo que acabei de inventar pra pegada D&D 3a Edição), o Sr. Cook levantava uma voz que se destoava do coro. Pra entender o que estou falando, compensa dar uma checada num artigo aqui do blog, de 2011: Recuperando o Trono de Jogo. Talvez os jogadores indies pensem que “tudo isso já é superado”… mas eu te garanto, Monte Cook foi um dos responsáveis pra que isso aconteça.

Pois bem, feita a apresentação necessária, vamos ao que interessa: Invisible Sun, o novo projeto do mestre.

Invisible Sun

Como a imagem já diz, o Invisible Sun está em período de kickstarter, isto é, financiamento coletivo, e se você curtir o que expormos aqui nesse post, é uma ótima oportunidade pra investir nesse produto e apoiar o autor e o jogo.

Já no kickstarter dá pra ver que o projeto é ambicioso: o RPG vem numa caixa com dezenas de props e acessórios (ah, os americanos sabem como ganhar dinheiro…): livros, escultura, medalhões, dados, cards, fichas, e mais.

Invisible Sun é um jogo de imersão profunda na narrativa (storytelling), utilizando as mecânicas e seu gameplay para que isso aconteça. O cenário/ambientação explora o misticismo, as sombras, os segredos… na definição do próprio Monte Cook, IS é um jogo de fantasia surrealista. Há a “Shadow”, que seria nosso próprio mundo, a sombra cinza, chata e sem-graça do verdadeiro mundo: a Actuality, onde a magia realmente acontece.

O jogo não impõe limites à criação de personagens (pelo menos é o que eles dizem, quero ver quando eu for criar meu Super Pig!), explorando mais como os personagens usarão os segredos para alcançar seus poderes mágicos, do que limitando suas ideias.

91a958bbb3e4c02dada07a83a20bbc29_original

Fonte: Monte Cook Games

Voltando aos produtos da caixa apresentada no kickstarter: a interação Shadow – Actuality é presente no RPG, “on game” e nos próprios produtos físicos. Aparentemente há diversos segredos espalhados nos livros, que, ao serem descobertos e revelados, intensificarão a ambientação do jogo, e ainda serão fonte de diversão pros mestres, que, ao invés de caçarem pokémons, caçarão pistas e segredos no seu RPG de papel :P.

Além disso, IS irá propor regras para que o Mestre lide com jogadores ausentes, jogos solo (um só jogador), utilizando aplicativos e programas para se jogar online. O jogo quer “revolucionar” a maneira de se jogar RPG de mesa. E, para isso, ele quer um público bem seleto: eles se autodenominam um jogo adulto, imersivo.

Caramba, hein?

Difícil não criar hype com um jogo desses…
Eu sintetizei aqui as características que julguei principais, mas há mais, bem mais explicação na página do kickstarter. Se você se interessou, mergulhe na leitura, e depois venha comentar aqui no blog suas conclusões!

A título de curiosidade, o jogo começou a ser financiado antes de ontem, dia 15 de agosto de 2016, e já alcançou sua meta de + de 200k. Só enquanto eu escrevia esse post, o jogo já ganhou + 1.000 dólares…

É, o nome Monte Cook realmente chama a atenção!
E como não?

Roll the bones,

Chico Lobo Leal

 

 

 

 

Campanha em Rokugan – Cena Dezesseis

01/08/2016

Rokugan, o Império Esmeralda. Um mundo guiado pelos herdeiros do Sol e da Lua – os Imperadores – e regimentado pela existência de vários Clãs, compostos por guerreiros e interesses próprios. Um mundo de combates, honra e perigos mil.

No princípio de seu décimo-segundo século de existência, destaca-se o conturbado governo de Iweko-sama como Imperatriz do Império Esmeralda; e, na transição do trono, espera-se a restauração da harmonia entre os novos Sol e Lua, depois da sangrenta Guerra da Destruidora. Porém, poderão as sombras – de homens e de demônios – deixar que essa paz seja finalmente alcançada?

O caos se instaura mais uma vez no caminho de nossos heróis. Dos cantos mais escuros da cidade, uma legião de homens armados emergiu sob o estandarte da Garça. Lutando contra os despreparados servos do Leão, eles conseguiram atear fogo na Cidade da Permissão.

Os caminhos se separam no meio deste tormento. Takashi e Kaori perseguem Sasuke-dono, que acaba ferido traiçoeiramente. A ama Bayushi tem o mesmo destino, e descobre quem foi o responsável por este incidente: Bayushi Terada, seu primo.

Já Lishida, acompanhando o veterano Matsu Koji, usaram de força para abrir caminho até o Kyuden de Ninkatoshi. E lá, encontraram o que parece ser o verdadeiro inimigo…

 

Rokugan Mapa Campanha 4

Pontos Importantes na Trama: L8 – Cidade da Permissão (Ninkatoshi)

死 (Morte)

Kaori lutava contra seu próprio corpo para ficar de pé, e enfrentar seu detestável parente de igual para igual. Este, por sua vez, parecia entretido com toda aquela situação.

 

“Ora, então vai ser assim?”

De suas longas mangas, surgiram dois Kama. De suas lâminas, escorria um líquido escuro, que quase se mesclava ao véu noturno.

“Ou você virá comigo por bem, Kaori-chan, ou virá por mal!

 Ao lançar suas armas contra a Samurai-ko, Takashi aparou o golpe; aproveitou o embalo para retribui-lo, atingindo Terada com força reduzida para não matá-lo.

O arrogante Bayushi permaneceu no chão, queixando-se da dor enquanto era amarrado por aqueles a quem desafiou. Lançava palavras e ameaças ao vento da noite, destilando todo o seu veneno…

“Vocês vão se arrepender pelo que estão fazendo!”

Ajudou Kaori a se levantar, pouco antes de levar o guerreiro cativo até as autoridades competentes. Percebeu também que o caos já estava se dissipando aos poucos: parece que os Budokas não tinham o mesmo fervor de outrora, e se rendiam após perceberem o crescente número de baixas entre os seus…

Deixando Kaori em um lugar seguro, Takashi retornou ao refúgio de Doji Sasuke, para garantir àquele senhor um tratamento adequado para suas mazelas – assim como para seus Yojimbo.

Kakita's_Sword

“Ora, boa noite. Não esperava vê-lo por aqui, Cria dos Caranguejos”.

Ao reconhecer o brilho malicioso nos olhos de Tetsuo, Lishida não proferiu palavra; tinha certeza de que era o mesmo homem de Ravina Serena.

O sujeito que o reduziu a pouco mais que um verme.

Não pensou duas vezes quando avançou sobre o franzino espadachim, manejando o tetsubo com toda sua ira. Não pensou sequer no homem prostrado à sua frente, que aproveitou-se da hora para engatinhar até as pernas de Koji.

Tetsuo não teve como evitar um golpe tão brutal quanto aquele, e acabou arremessado para fora do Kyuden. Na mente do Bushi que o golpeou, apenas o olhar triste daquele sujeito perdurou; os olhos descrentes, de alguém que não entendia o que estava acontecendo…

A satisfação por assassinar aquele feiticeiro acalmou seu corpo e reacendeu sua consciência, apenas para ser surpreendido por um ataque tão feroz quanto o seu último. O tetsubo de Matsu Koji atingiu-lhe o flanco esquerdo, arruinando seu braço em uma fratura exposta.

Caído e tomado pela dor generalizada, Lishida tentou se manter de pé. Em cada esforço, seu corpo sangrava dos hematomas que o veterano lhe provocou, e foi nessa hora que viu o semblante daquele homem- seu único olho injetado, sua postura grosseira e furiosa, e as veias enrijecidas pelo ódio. Uma faceta bem distante daquela que conhecera, do pai da finada Hibiki…

Lishida precisava manter o foco e as forças para enfrentar seu novo oponente, talvez escapando dele para levar aquele outro homem para um lugar seguro. Mas o corpo não acompanhou o pensamento, parando na mão vigorosa do veterano Matsu. Erguido pelo pescoço, o jovem Hida tecia seus agradecimentos à Bishamon, desejando uma morte rápida, e indolor…

…quando ouviu o engasgar dominando a garganta daquele guerreiro enfurecido, e sua queda veio logo em seguida. Antes que seus olhos se fechassem pelo cansaço, viu o velho Koji afogar-se no próprio sangue, e a lâmina tingida de carmim nas mãos do homem que tentou salvar.

Hida_Kuon_1

O amanhecer trouxe à Ninkatoshi uma promessa de recomeço, eliminando qualquer cicatriz da noite passada. Os soldados que permaneceram de pé recolhiam armas e prisioneiros, heimins uniam-se para reconstruir casas e reparar danos, e os etas recolhiam os cadáveres, limpando as ruas do imundo tom de sangue.

Foi nesta triste atmosfera que duas distintas figuras chegaram à cidade, cansadas de suas peregrinações. A primeira era, notoriamente, a mais velha e serena; seus olhos negros tinham o brilho das constelações em seu íntimo, como se guardassem um cosmo de conhecimentos sobre a vida.

A segunda, uma criança quando comparada a seu acompanhante, tinha o olhar atento e insatisfeito, desejando saborear toda a sapiência que o mundo podia lhe oferecer.

Ambos vestiam-se com roupas simples e chapéus de abas largas, para proteger-lhes do sol intenso. Caminhavam apoiados em seus bo, em ritmo calmo e contemplativo.

“Veja, Hitagi-san. Este é o reflexo bom de uma guerra: ela traz a morte, ao mesmo tempo que une mais os vivos”.

A jovem ficou impressionada com o que viu em seu caminho.

“Verdade, Fubuki-sensei.Foi isto que manteve nosso Império de pé, e por isso continuamos lembrando aos rokugani as palavras de Mestre Shinsei”.

Fubuki assentiu, antes que suas atenções se prendessem nas crianças que brincavam com armas jogadas no chão. Hitagi, por outro lado, foi abordada por um rígido servo do Leão, que tentou subjugá-la em um interrogatório, até ver o seu mestre se aproximando.

Desconcertado, o soldado guia os viajantes até a enfermaria mais próxima, um barracão montado às pressas em um ponto central da cidade. Um abrigo para os feridos no conflito da noite passada. à porta, foram surpreendidos pela saída abrupta de uma jovem, cujos olhos estavam preenchidos com lágrimas que manchavam seu rosto maquiado.

O velho monge, contudo, não pôde deixar de notá-la.

“Há quanto tempo, Kaori-san“.

Ela se deixou notar, rapidamente limpando seu rosto.

“Fu…Fubuki-sensei! Que honra vê-lo aqui. Espero ter a chance de conversar com o senhor em breve, pois preciso resolver um assunto pessoal agora…”

Hitagi percebeu prontamente a dor nos olhos da jovem, e tentou alcançá-la. Fubuki a deteve, com um gesto suave.

“Talvez, não seja este o momento, Hitagi-san. Cuide dos corpos feridos, enquanto busco saber o que aconteceu aqui”.

Ruins_of_Yotsu_Dojo

Desde a hora em que Lishida abriu seus olhos, Takashi ficou impressionado. Ouviu cada palavra do amigo sobre a morte de Tetsuo, que tinha se revelado como o Maho-tsukai de Ravina Serena, e sobre como havia ficado naquele estado deplorável. Viu o esmorecer de Kaori mais uma vez, que os deixou sozinhos até que pudesse compreender as circunstâncias de tudo aquilo.

Deixou o Caranguejo se recuperar, indo de encontro à Samurai-ko. Cumprimentou rapidamente a recém-chegada monja, sem prestar nela a devida atenção.

Kaori-san, espere”.

Ela não proferiu palavra, ou se virou para ver quem a chamava. Apenas parou de andar.

“Você… não pode culpar Hida-san pelo que aconteceu”.

A voz dela estava muito fraca, e ao mesmo tempo arranhada pela mágoa.

Tetsuo-san… está morto agora. É como se tudo que fiz fosse levado pelo vento”.

O andarilho de cabelos brancos se aproximou dela; na tentativa de confortá-la, colocou a mão sobre seu ombro.

“Eu não posso dizer que compreendo sua dor, mas… te digo com clareza que o culpado de tudo isso é o maldito Maho-tsukai. Guarde a mágoa para ele, em vez de marcá-la em Hida-san“…

Para Kaori, ele tinha razão: o Caranguejo cumpriu com o seu dever, no fim das contas. Mas ainda era inacreditável saber que o seu amado – aquele que sequer podia empunhar uma espada, pelo desgosto que nutria pelos combates – podia se portar da forma como lhe contaram.

No momento em que retornaria com a jovem amiga até a enfermaria, Takashi recebeu o chamado da Yojimbo que acompanhava Doji Sasuke.

“Enfim, o encontrei. Meu senhor deseja vê-lo imediatamente, se possível”.

Consentindo com a cabeça, ele se despediu de Kaori pouco antes de tomar o rumo. Caminhou calmamente, apreciando o empenho das pessoas em reconstruir seus lares.

Chegou a um dos imponentes casarões que cercam o Kyuden de Ninkatoshi, sendo prontamente recepcionado pelos demais servos do daimyo Garça. O jovem Kakita teve todo o cuidado para com as normas de etiqueta, deixando suas armas na entrada e reverenciando humildemente cada um dos servos.

Doji Sasuke estava sentado em seu leito, sorvendo um copo de chá. O lado esquerdo de seu corpo estava nu, com exceção do ombro, coberto por ataduras um pouco tingidas de sangue.

“É bom vê-lo, Kakita-san. Sente-se, por favor”.

“Fico feliz em ver que passa bem, Doji-dono“.

O riso contido de Sasuke mais se assemelha a um engasgo.

“Bem? Ah, não… é mais difícil e doloroso do que parece. Mas não é sobre isso que desejo falar com você. Na verdade, quero lhe pedir um favor…”

AftermathArtCrane

Retornando à enfermaria, Kaori encontra um Lishida mais disposto, diferente do envergonhado Bushi que confessara seus atos, minutos atrás. A cor parecia ter retornado ao seu rosto, e nem o braço fraturado parecia incomodá-lo.

Percebeu que alguém lhe fizera companhia: a jovem que acompanhava o mestre Fubuki. Os olhos dela guardavam conhecimento sobre o mundo, o que a tornava bem parecida com o seu sensei, e isso explicava como conseguiu dobrar alguém tão duro quanto aquele Caranguejo.

“Podemos conversar, Lishida-san?”

Suas palavras serviram de aviso para a monja, que prontamente foi cuidar de outros feridos. Já o herdeiro Hida, contrariando ordens médicas, levantou-se – sugerindo a Kaori para que fossem a um lugar mais tranquilo.

Caminhavam lado a lado pela rua, até que se deparassem com a primeira barraca de takoyaki nos arredores. Sentaram-se, e fizeram seus pedidos.

Kaori-san… perdoe-me pelo que fiz. Quando vi a frieza naqueles olhos, perdi a razão e o controle dos meus atos”.

Ela colocou a mão no ombro de seu acompanhante, de forma gentil.

“A culpa não foi sua, no fim das contas. Aquele feiticeiro dominou Tetsuo, assim como dominou outros que já encontramos no caminho. Preciso que você se recupere bem rápido, para que possamos derrotá-lo de uma vez por todas. Entendeu?”

Como resposta, ele voltou a comer. Olhou para o alto, repensando no princípio dessa missão – mais exatamente, sobre como enxergava tudo naqueles dias, agora tão distantes.

“Acho que seria mais útil ficando na Muralha…”

L5R-Crab Mon

つづく (“Continua”…)

Campanha em Rokugan – Cena Quinze

06/07/2016

Rokugan, o Império Esmeralda. Um mundo guiado pelos herdeiros do Sol e da Lua – os Imperadores – e regimentado pela existência de vários Clãs, compostos por guerreiros e interesses próprios. Um mundo de combates, honra e perigos mil.

No princípio de seu décimo-segundo século de existência, destaca-se o conturbado governo de Iweko-sama como Imperatriz do Império Esmeralda; e, na transição do trono, espera-se a restauração da harmonia entre os novos Sol e Lua, depois da sangrenta Guerra da Destruidora. Porém, poderão as sombras – de homens e de demônios – deixar que essa paz seja finalmente alcançada?

O retorno inesperado de Miya Tetsuo causou espanto a todos – em especial, a Kaori, que se viu abalada com as consequências que sua escolha causou. A ponto de Lishida, seu companheiro endurecido pela batalha, declarar-se para ela em um momento breve e inesperado…

Entretanto, tudo não passava de um embuste: Takashi queria tirar suas provas a limpo, e quase acabou vitimado pelas garras da criatura que assumira as vestes do ator. Lishida e Kaori chegaram a tempo para evitar o pior, lutando com o que tinham em mãos pra expurgá-la.

Cansados e feridos pelo confronto, os três acabaram surpreendidos pelo soar dos sinos percorrendo a cidade. Uma legião de homens tomou as ruas, armados e vestindo as cores do clã Garça, tomando de assalto a inesperada Ninkatoshi…

Rokugan Mapa Campanha 4

Pontos Importantes na Trama: L8 – Cidade da Permissão (Ninkatoshi)

戦い (Batalha)

Lishida, como era de se esperar, foi o primeiro a agir, correndo como podia até alcançar a hospedaria que os acomodou. A pedido de Takashi, ele foi resgatar suas posses para, se sobreviverem a isto, retomarem a estrada.

Alguns dos invasores interviram, brandindo lanças  e desafios tolos. Deixou que o sangue subisse à cabeça, erguendo seu tetsubo e abrindo caminho entre os patifes. Ao entrar, juntou tudo que podia consigo. E, ao seu retorno, acabou cercado por outros Budokas que anseavam pela sua morte.

Pelos menos, até que um grande sujeito irrompesse em ira contra o bando. Com rápidos movimentos de seu maciço de ferro preto, anulou a desvantagem numérica em segundos.

O Caranguejo, surpreso com tão impetuosa aproximação, reconheceu de imediato a postura indolente de Matsu Koji. Este, por sua vez, apenas o encarou com leve ironia em suas palavras.

“Ora, não pensei que nosso reencontro acontecesse tão cedo”…

Deixou seu tetsubo quicar no chão batido, assumindo uma postura livre para revidar um possível ataque. O sangue de Lishida gelou, mas ele manteve o foco.

“Já que você está aqui, talvez esta seja o momento de acertarmos aquela dívida, não é mesmo?”

O veterano despejava malícia em suas palavras, tal qual um demônio das lendas de guerra. O jovem tomou suas palavras como um desafio, e aprumou-se para restaurar sua confiança.

Koji, por sua vez, virou-se para contemplar, no alto, a torre do Kyuden local – um braço que se ergue aos céus para clamar ajuda às Fortunas.

” Então, siga-me. Temos um palácio para defender”.

Matsu_Turi

Com passos suaves e rápidos, Takashi corre por entre as pelejas urbanas como se o fizesse pelo piso liso de um dojo. Não baixou a guarda por um instante sequer, até que alcançasse o amedrontado Doji Sasuke. Um homem que, nas palavras de seu pai, “não estava no lugar que lhe era adequado”.

O lorde confiou sua vida a um grupo de Yojimbo para que pudesse sair de Ninkatoshi, mas as marés da batalha singravam sobre seus homens. Aos poucos, suas vidas foram tomadas por lanças e flechas dos invasores e, também, dos confusos Leões. E Takashi nada pôde fazer senão seguir as palavras do líder daqueles protetores.

“Por aqui, rápido!”

Avançaram a oeste, visando as guarnições do clã que defendia a cidade. Doji-sama estava quieto, suas mãos tomando formas curiosas e seu rosto desenhando uma expressão férrea e bem focada. Os demais a tudo aquilo assistiam, com as katana preparadas para defender o seu senhor.

Contudo, nem toda cautela pôde salvá-lo da Kunai que cortou o espaço para cravar-se no ombro do shugenja, tirando sua consciência e equilíbrio.

Doji-sama!”

O grupo se fechou para acudir o seu senhor, que permaneceu inconsciente. Enquanto verificavam o ferimento, Takashi permaneceu na defensiva.

“Ele foi envenenado! Precisamos de um abrigo com urgência!”

Carregando nas costas o suserano, o líder dos soldados encontrou um casarão intocado pelo caos. A julgar pelo tamanho, poderia ser uma hospedaria, ou restaurante.

Não perderam tempo ao entrar, bloqueando as passagens com a mobília. Colocaram o suserano Doji sobre uma mesa, em posição confortável. Em tão pouco tempo, o ferimento já estava bem inchado, e todos pareciam preocupados.

“Maldição, o que podemos fazer?”

Essa questão era compartilhada pelos Yojimbo, a ponto destes não perceberem o crescente ruído de passos no telhado…

Otosan_Uchi_in_Flames

Mais uma vez no Templo a Benten, Bayushi Kaori pensava em traçar um plano de fuga. Ninkatoshi tornou-se um lugar muito perigoso para ela e, ao mesmo tempo, muito triste. Não podia mais ficar ali, quando estava ciente dos planos ardilosos de seu pai.

Recolheu suas coisas, em inigualável pressa. Despediu-se do monge, que se dedicava na recuperação de suas mazelas, e recebeu do mesmo as bênçãos da Fortuna do Amor.

Foi nesta hora que se viu sozinha, sem saber onde estava o Caranguejo. Ao longe, via Takashi lutar ao lado do homem de que tanto foge.

“Lutando por Doji Sasuke, Takashi? Que patético!”

Correu na direção daquele traidor, para entender melhor o que de fato estava acontecendo. Saltava de telhado em telhado, chegou até o casarão onde os servos de Sasuke se refugiavam do confronto.

Passava os olhos pelos arredores, à procura de qualquer sinal do responsável por aquele golpe traiçoeiro, e nem percebeu o momento em que se tornou a próxima vítima – apenas quando a dor lhe atingiu em seco.

Retirou a Kunai de seu ombro esquerdo, percebendo o icor frio escorrer da lâmina rumo a sua mão.

Na mesma hora, sentiu o formigamento se espalhar por todo o seu corpo. Seus braços agora pesavam dez vezes mais que o normal, e as pernas lutavam para mantê-la de pé.

Apressava-se para escolher o antídoto entre as poucas ervas que carregava em sua mochila, quando viu uma figura familiar à sua frente: suas largas vestes em tom escarlate fulguravam ao vento, como as chamas de uma fogueira. Mal tinha cabelos à mostra, e seu rosto estava coberto por um pesado mempo, adornado com o animal símbolo de seu clã: o Escorpião. Apenas os seus olhos estavam visíveis, em um desbotado tom azul.

“Como é bom vê-la, Kaori-chan!”

O riso esganiçado daquele sujeito perturbara Kaori intensamente, quase a ponto de causar-lhe náuseas.

“Não posso dizer o mesmo por você, Bayushi Terada”.

Mesmo com a máscara a ocultar seu rosto, ela viu um sorriso demoníaco se formar em sua face.

“Mas que falta de modos, Kaori-chan. Não é assim que se trata um parente próximo…”

Ela tentava se manter de pé, percebendo o fim da paralisia aos poucos. No entanto, seus braços e pernas pareciam amarrados ao chão.

“Se o incompetente do Kamui não fosse tão tolerante com seus caprichos, talvez você não desrespeitasse nossa família como tens feito nos últimos dias”.

Foi neste momento que Kaori sentiu o amargar do ódio em sua garganta. Com que direito um ser desprezível como Terada podia falar do seu irmão?

“Vai… pagar caro… por suas palavras… Terada”.

No lugar da Katana, desembainhou aquela que considerava sua “arma secreta”: o Kusari-gama. Com uma das mãos, balançava a corrente para os lados; com a outra, manteve a foice afiada em riste.

Terada riu novamente.

“Você acha que pode me deter, nesse estado? Não me faça rir!”

Ele aos poucos se aproximava da persistente Samurai-ko, quando a chegada de Takashi interrompeu sua intenção.

Bayushi

A corrida até o Kyuden foi breve e calma. Matsu Koji mostrava sua força, correndo por entre as contendas com a velocidade dos bons ventos. Mesmo sendo mais jovem, Lishida não conseguia manter o ritmo para acompanhar aquele veterano.

Chegando aos jardins, cujo ar bucólico lembrava o jovem Bushi de seu julgamento, defrontaram-se com um grupo de invasores colocando o portão do castelo abaixo.

“Afastem-se!”

O aviso veio logo depois do primeiro ataque; o tetsubo do Caranguejo ergueu-se no céu, após retirar de seu caminho um corpo que mal lhe ofereceu resistência. Ao perceber a retaliação dos demais, Koji os subjugou em um único e impressionante movimento.

Em seguida, virou-se para o rapaz que o acompanhava.

“Você é forte, filho do Caranguejo. Mas ainda precisa aprender a respeitar seu oponente”.

Voltou-se para a porta semi-destruída, derrubando-a sem resistências. O subir das escadas se acelerava, conforme eles ficavam próximos do topo da torre. No caminho, marcas sutis de sangue ilustravam o que aconteceu até agora…

No último cômodo do Kyuden, as preocupações do Leão se agigantaram ao ver as silhuetas desenhadas no biombo: uma sombra de pé, apontando uma lâmina para outra, prostrada no chão.

Aguardaram o momento em que o assassino se aproximaria, antes de irromperem porta adentro – e, ao mesmo tempo, se surpreenderem com a identidade do espadachim.

Miya Tetsuo.

Miya Tetsuo

つづく (“Continua”…)

P.S: Você pode acessar a Cena seguinte clicando neste link aqui.

Campanha em Erebor – Cena 24 – Heruwyn

13/06/2016

Cena anterior: Cena 23 – Falco

Após o julgamento de Lilith, e o sucesso de Vir para unir o povo de Valle
(bardings e orientais), uma nova etapa se iniciara.

Os problemas internos mais urgentes estavam, ao que tudo indicava, remediados, e
os olhos e ouvidos dos governantes voltavam-se para o exterior. A mensagem de
Ganfal fora clara, e Valle trabalhava em recuperar o tempo perdido. Cada homem
apto flexionava seus músculos e tirava a poeira de suas armas. Para minha
satisfação, muitas mulheres também.

Rohan flag

Meu povo, meu sangue, minha honra

Como Rohirrim eu fiquei encarregada de auxiliar o líder dos cavaleiros, que, para minha surpresa, era o herdeito mais jovem do Rei Bard: Bard II, seu bisneto. Os cavalos de Valle eram de uma linhagem mais selvagem, parentes distantes daqueles do povo de Éorl. Não eram poucos os cavaleiros que tinham dificuldade de conduzir suas montarias nas manobras que praticávamos. Minha experiência sobre a cela se mostrou útil ali, e logo tornei-me próxima de Bard Segundo.

E foi justamente por ele que descobri sobre a invasão da Casa de Bard, e a prisão de Berion. Meu povo sempre foi desconfiado a respeito dos filhos da floresta, mas eu não pudia ignorar que dois deles ajudaram a me salvar das mãos dos meus captores.

– Comandante, há algo errado nessa história. Qual foi a sentença de Bard?

– Meu bisavô está muito doente, e Bain é fez a decisão. Berion ficará preso por tempo indeterminado. Provavelmente seu julgamento virá apenas após o fim da guerra, se é que ela um dia terá fim…

Bard II estava triste, e eu o entendia. Não podíamos nos dar o luxo de dispediçar guerreiros, e nós tínhamos conhecimento do valor de um elfo em batalha.

Fui ter com Vir, que, como acontecia com frequência ultimamente, conferenciava com um outro oriental. Este eu reconhecia como o pai de Lilith, Jairo. Aguardei os dois terminarem, e enquanto esperava reparei na dupla.

Eu nunca antes imaginara que teria contato com os povos do deserto, e muito menos que um dia teria um deles como amigo. Seus trajes eram estranhos, e seus sotaques mais ainda, mas eles não eram tão mais diferentes dos Bardings quanto eu mesma, com minhas vestes do sul.

– Heruwyn! Boas nuvens te trazem! Falávamos jutamente de você e sua proximidade com o jovem Bard. Você acha que há alguma chance de conseguirmos atenuar o sofrimento de LIlith?

Olhei para o pai da garota e achei melhor não espalhar a notícia de Berion a quatro ventos.

– Talvez. Mas há outros que também demandam nossa atneção. Precisamos conversar a sós Vir, e rápido.

O semblante de meu amigo se alterou, e vi que a preocupação tocava seu rosto.

– É Rowenna?

A elfa havia sumido há alguns dias, e enão tínhamos notícias dela desde que chegamos à Valle.

– Não, mas outro ser de orelhas pontudas.

Vir e Jairo se entreolharam, e o último se despediu de nós, com uma mesura.
Quando estávamos a sós, sentei em um pufe e me pus a falar.

– Berion está preso. Bain diz que ele invadiu a Casa do Senhor durante a noite.

Aquilo pegou Vir de surpresa, o que me trouxe certo conforto. O povo de Rohan não está acostumado a mentir, e eu saberia se Vir estivesse me enganando. Mesmo extremamente em dívida para com aquelas pessoas, eu os conhecia há pouco tempo, e não pude deixar de desconfiar das intenções de tão estranho grupo quando ouvi sobre a suposta invasão.

Conversamos por algumas horas, onde houvi um relato completo sobre a missão de Berion e sua ligação com a Bruxa da Flo… Senhora Galadriel. Estávamos de acordo que precisávamos entender melhor a situação, para saber como proceder com Bain.

– A filha de Jairo será o caminho. tenho certeza que será mais fácil, ou pelo menos menos difícil, o acesso à ela. Heruwyn, por favor, converse com Bard II.

Assim o fiz. Felizmente o bisneto do matador de dragões não se opôs quando disse que fui requisitada, como mulher, para averiguar o conforto de Lilith na prisão.

***

Ela se encontrava abatida e mais magra do que eu lembrava, mas sua vontade de ferro era evidente. Aquela ali não se vurvaria à ninguém.

– Lilith, vim a pedido de seu pai, pra ver como você está. Mas também serei franca, tenho algo a te pedir.

Conversamos por um longo tempo, e cada vez que um guarda se aproximava, começávamos a discutir sobre higiene íntima e o sangue-da-lua, o que era suficiente para afastá-los rapidamente.

Por três dias a visitei. No segundo e terceiro levei óleos e panos limpos para ela, e no último voltei com algo importante: uma mensagem de Berion. Ela estava amassada e escrita com um pedaço de carvão, mas seu conteúdo era claro o suficiente. Bard estava morto, e Bain prendeu Berion para que a notícia não se espalhasse.

Aquilo me intrigava, e fiz questão de ouvir Bard II.

– Meu bisavô? Acredito que ele está muito doente, porque há dias apenas Bain o vê. Somente ontem meu avô foi acompanhado vê-lo. Acredito que alguma espécie de curandeiro, pois notei um amuleto feito de madeira em seu peito. Uma espécie de coração…

***

easterlings

Diferente, mas nem por isso pior… ou melhor

Cheguei para ter com Vir e me deparei com o pequeno Holbytla na sala. Ele estava esbaforido, pelo que parecia tinha vindo da Montanha Solitária correndo com suas pernas curtas.

– Heruwyn! Vir me contou de Berion! Isso é terrível, temos dois amigos presos!

Ouvi sobre Qhorin, e o encontro dos mensageiros com Dáin. Tive que sentar pra não cair pra trás. Desgraça pouca é bobagem.

Vir tremia, e lágrimas caíam de seus olhos.

– E pensar que minha cabeça poderia estar ali, do lado de Thraurin, dentro do baú. Pobre companheiro, a Sombra era forte demais…

– E vir… eles tem o Coração-de-Rhosgobel. Eu mesmo vi o amuleto no peito de um dos malvados.

Aquilo, por algum motivo, me deixou irriquieta.

– Falco, como parece esse tal amuleto?

– É um coração, de freixo. Thraurin o conseguiu, por recompensa ao salvar Rada…

Meu sangue fervia.

– É Bain! Maldito!
Vejam essa mensagem de Berion! Vai de encontro também o que o que Bard II me falou. Um “curandeiro” visitou o velho Bard ontem à noite. Com um coração de madeira no pescoço.

Falco estava com os olhos arregalados e com as mãos na boca, em forma de O.
Vir já não vertia mais lágrimas, mas segurava o cabo de seu punhal com força.

– Filho da puta. Temos que matá-lo.

E foi assim que eu e meus amigos mudamos o destino do Reino de Valle.

Campanha em Rokugan – Cena Catorze

12/06/2016

Rokugan, o Império Esmeralda. Um mundo guiado pelos herdeiros do Sol e da Lua – os Imperadores – e regimentado pela existência de vários Clãs, compostos por guerreiros e interesses próprios. Um mundo de combates, honra e perigos mil.

No princípio de seu décimo-segundo século de existência, destaca-se o conturbado governo de Iweko-sama como Imperatriz do Império Esmeralda; e, na transição do trono, espera-se a restauração da harmonia entre os novos Sol e Lua, depois da sangrenta Guerra da Destruidora. Porém, poderão as sombras – de homens e de demônios – deixar que essa paz seja finalmente alcançada?

 

Guardando para si o luto, Kaori acabou surpreendida por um fortuito reencontro com Miya Tetsuo – seu amado, e também a razão de seus problemas. Sua postura estranha chamou bastante as atenções de Lishida e Takashi, que resolveram tirar a limpo suas conclusões.

Guiando o recém-chegado até o templo que cuidou de suas feridas, o andarilho de cabelos brancos acabou surpreendido pelo enigmático Mirumoto Manji, que parecia esperar a sua chegada. Não tocou em armas, no entanto; serviu apenas de distração para um perigo ainda mais próximo…

Rokugan Mapa Campanha 4

Pontos Importantes na Trama: L8 – Cidade da Permissão (Ninkatoshi)

フリーク (Aberração)

Nos primeiros instantes em que Kaori e Lishida ficaram juntos, o silêncio imperou soberano. Ela lhe devolveu a mensagem que o afastou de sua casa, o amarrando à sua missão. O próprio tinha deixado essa mensagem aos cuidados da dama, provando a mudança em sua relação nos últimos dias.

Até que a própria tomasse a iniciativa de falar, os estalos da chapa quente e os suspiros de satisfação do vendedor rompiam a quietude.

“Eu… acho que vamos tomar caminhos diferentes esta noite”.

Com a boca cheia de takoyaki, o Caranguejo a fitou com um olhar questionador.

“Agora que Tetsuo-san apareceu, recebi dele o convite para fugirmos daqui, para um lugar seguro…”

Em um piscar de olhos, as mãos nervosas de Kaori estavam cobertas pela do jovem Hida, e o seu aperto tentava lhe transmitir conforto. Seus olhos mantinham-se fixos no fundo da tenda, como se evitasse olhar para ela.

Kaori-san… peço para que confie em mim, e me acompanhe”.

O coração da Bayushi bateu mais forte naquele momento, enrubescendo seu rosto de imediato. Ao mesmo tempo, deixou-a confusa pela postura séria e distante. Estaria ele expressando algum sentimento real, ou a testando de alguma forma?

Um constrangedor silêncio se formou, até mesmo para o vendedor de comida ali próximo – que foi quebrado apenas por uma distante súplica:

“Socorro!”

 

Desvencilhando-se com destreza ímpar, Takashi retoma sua postura combativa. A bocarra de Tetsuo, que compunha um sorriso grotesco de presas serrilhadas, o identificava como algo além da humanidade – confirmando as suspeitas do espadachim.

“Foste dominado por Lady Ganryu. Eu sabia!”

A resposta se deu no avanço de suas recém-nascidas garras, que mancharam a terra com seu pus fumegante.

Tão logo se afastou, o duelista desembainhou sua Katana com um ataque rápido. Apenas para ver a carne da criatura rejeitando sua lâmina.

“Isso, continue resistindo”.

A criatura que antes era Tetsuo ignorou uma uma onda de ataques, sem verter uma gota de sangue sequer.

“O medo deixará sua carne mais saborosa!”

A confiança de Takashi foi renovada pela brutal chegada de Lishida, que ergueu com satisfação o seu Tetsubo para golpear o inimigo com toda a sua força – o jogando no chão em uma nuvem de poeira.

Atrás dele, Kaori serpenteou para o jardim, deperando-se com a deformada imagem de Tetsuo. Sua pele se assemelhava a trapos, rasgada em vários pontos e agora revelando membros monstruosos e desproporcionais.

“Pensa que isso vai me deter?”

Em franca retaliação, suas garras cortavam armadura e carne do Bushi Caranguejo como se fossem papel. Por muito pouco, o licor doentio de seus dedos não o tocou, para envenená-lo com a essência do mal.

Kaori-san… precisaremos de jade para derrotá-lo. Procure por essa pedra no templo!”

Deixando para trás o transe de incredulidade, ela corre até o santuário de Benten. A imagem do gentil monge, agora ferido e jogado em um dos cantos da câmara, clareou os seus impulsos.

“Ei, acorde. Preciso de sua ajuda, gentil bonzo. Onde posso encontrar jade?”

Embora cansado e coberto de ferimentos, ele conseguiu se levantar (com o apoio de Kaori) e apontou para seus aposentos pessoais.

“P-por… aqui”.

 Bayushi Kaori Olhos

Lá fora, o combate persistia sem sucesso. Cada golpe dos Bushis esgotava suas próprias forças, para o divertimento do monstruoso Tetsuo.

“Já estão se cansando? Pois eu nem comecei a lutar com vocês!”

Suas garras dançavam com furor, ávidas como serpentes famintas, beliscando a carne de seus oponentes. Pelo menos, até o retorno da herdeira Bayushi – que trazia consigo um pequeno prato de jade.

“Triture-o, Kaori-san, até que sobre o pó!”

Lishida se desdobrava para manter a posição e, ao mesmo tempo, instruir sua aliada. Em retribuição, a mesma se esforça para desmanchar a peça a tempo de salvá-los.

“Terminei!”

O sinal de Kaori acordou Takashi, que transformou seu fôlego em uma chuva de golpes contra o monstro. Com isto, abriu caminho para que o herdeiro Hida fosse preparar seu armamento para o golpe definitivo.

Em uma cena incomum, Caranguejo e Escorpião uniam forças para lutar: ela polvilhou o Tetsubo Hida como pôde, com o pó de jade que tinha nas mãos; ele o empunhou mais uma vez, com sua luz verde irrompendo no pôr-do-sol.

Tetsuo reagiu nervosamente àquilo, avançando no intuito de eliminar tal ameaça com rapidez. E, ao abrir sua guarda, acabou quase partido em dois pela força destruidora daquele guerreiro.

A dor se esvaía junto com o sangue, privando a criatura de sua vida, e voz. Takashi abriu caminho, impressionado com aquela imagem, e deixou que Lishida encerrasse de vez o confronto.

“Moooooooooorra!”

De um arco de luz esverdeada, ossos e carne malditos explodem com o ataque fatal. Tetsuo sequer pôde manifestar a sua dor, pois não restou nada além de uma polpa de sangue negro em seu lugar.

No mesmo jardim onde viu seu irmão morrer, Kaori via o mesmo desfecho se repetir àquele a quem dedicou o seu amor…

L5R-Crab Mon

Cientes do quão grave tornou-se a situação, Lishida e Takashi preparam uma mensagem para enviar até a Muralha Kaiu, no distante sul do Império. Endereçada a um dos comandantes do clã Caranguejo, Hida Oboro, tal carta serve como um chamado às armas, avisando da presença crescente de monstros existindo entre a população.

Indiferente a tudo isso, Kaori examina o cadáver devastado, para confirmar seus temores mais profundos. Aproximou-se do mesmo, e suspirou de alívio ao perceber a densa maquilagem que cobria a pele se desfazendo.

“Não era Tetsuo-san“.

Juntos novamente, planejavam enviar a mensagem no raiar do sol quando ouviram os primeiros gritos e clangores de armas. Não podiam ver o que acontecia graças aos muros do templo, mas o ruído crescente davam-lhes uma breve noção.

“Vamos ver!”

Ao comando do jovem Kakita, Lishida e Kaori correram até o torii do templo – onde puderam ver o estourar de um confronto. Das casas mais humildes, emergiram inúmeros homens, marchando e lutando contra os surpresos defensores do clã Leão.

Para espando do andarilho, eles vestiam Kimonos em azul e branco, as cores do seu clã. Em suas mãos, armas de todo tipo eram empunhadas. Em suas costas, o imponente mon da Garça.

“Sasuke. Ele deve estar por trás disso”.

Lishida permaneceu quieto, talvez concordando com aquela suposição.

“Impossível. Não é assim que o clã Garça lida com seus problemas. O caminho da diplomacia é nossa trilha”.

Ele prontamente reparou na falta de disciplina dos invasores.

“Mirumoto Manji deve estar por trás disso”.

Com a violência crescendo a olhos vistos, não havia tempo para discutir sobre o mentor de tudo aquilo. Deveriam agir logo, e cada um tomaria o seu próprio rumo neste confronto…

L5R-Crane Mon

つづく (“Continua”…)

P.S: Siga para a Cena seguinte acessando este link aqui.