Skip to content

Desvendando as Três Perguntas

04/04/2014

Muito bem, caros leitores!

Eu aposto que, de tão calejados com os jogos narrativos, vocês em algum momento já cogitaram a idéia de criar seu próprio mundo, traduzido em um jogo. Imagino também que já o tenham rascunhado – seja por simples curiosidade, seja pelo desafio de criar algo novo.

Em tempos de Laboratório de Jogos, eu desafio você a retirar esse rascunho da gaveta, e desenvolvê-lo. É, eu sei que o Faça Você Mesmo deste ano está quase no fim, e que outros concursos ainda acontecerão mais adiante – Game Chef, RPGénesis e Orquestra RPG, respectivamente.

Mas, por que ainda esperar por eles? Se você começou a idéia, você pode muito bem terminá-la, não é mesmo?

Ah, já sei… falta-lhe o direcionamento, um meio de manter o foco e não se perder no meio da  enxurrada de idéias que o ataca todo dia, não é mesmo?

another_wild_idea__title_card_

E agora, o que fazer num capítulo como este na sua vida? Calma, que eu tenho uma solução para você!

O game designer Jared Sorensen (membro do The Forge e autor de vários jogos “indies” consagrados, como InSpectres, Lacuna Part 1, Freemarket e um dos co-autores de Torchbearer) elaborou um questionário prático para contribuir no desenvolvimento de seus jogos.

Algo bem compartilhado por um de seus colegas, John Wick, que acabou se popularizando rapidamente. Chamado de “As Três Perguntas”, ele sintetiza o foco necessário para criar jogos em três perspectivas fundamentais, que exploraremos neste instante.

1. Sobre o Que é o Seu Jogo?

Esta é uma pergunta bastante simples e, ao mesmo tempo, complexa, por abordar o contexto da sua idéia diretamente. Nesta primeira etapa, sua idéia é como um diamante bruto, e a primeira pergunta vem começar a dilapidá-la – selecionando idéias que venham reforçar o que você deseja criar para este jogo.

Legend of Mana1

Legend of Mana: Seu jogo pode começar exatamente assim…

Ao responder esta Pergunta, você pode ser bastante direto (“Derrotar os Invasores de Corpos que Rondam a Vizinhança”), ou adicionar detalhes à idéia principal (“Como os Últimos Sobreviventes no Mundo de Shandala, os Jogadores Devem Reunir as Safiras da criação, para Restaurar a Ordem Despedaçada pelos Kothianos”). Tudo isso vai depender do seu interesse e, geralmente, de suas referências. Filmes, Seriados de Televisão, Livros, Contos, Poemas… toda e qualquer referência pode ser válida neste primeiro momento.

Legend of Mana2

…ou se tornar algo muito maior, e rebuscado.

2. Como Ele Permite Que Isso Aconteça?

Aqui, a construção da sua idéia passa para outro grau de profundidade. Uma vez que seu contexto esteja bem delimitado, é hora de partir para a sua lógica, o conjunto de mecanismos que irá definir a intervenção dos jogadores (e seus respectivos personagens, caso seja de fato um RPG).

Perceba que esta pergunta abrange, por si só, várias outras questões: como irão se compôr os Personagens? Como eles podem ser, perante o mundo que os cerca? Quais são suas possibilidades de ação? Como essa ação acontece durante o jogo? Ela se baseia na ficção, ou paralelamente a ela (como acontece em jogos mais tradicionais)?

Ao desdobrarmos a segunda Pergunta nas questões acima, você definirá o detalhamento de seu sistema de regras (do modo como ele se constitui basicamente, até o seu alcance em termos de situações possíveis durante uma sessão). Logo, ter um contexto bem delimitado resulta em ter uma lógica plausível e óbvia, tanto para você quanto para aqueles que lerão/jogarão o seu projeto.

rpg

Dados, cartas, fichas… todo mecanismo é válido, desde que transmita bem a experiência do seu jogo. A escolha é sua!

3. Que Comportamentos Ele Recompensa?

Esta pergunta traz um aspecto conclusivo e, ao mesmo tempo, fundamental também para começar o jogo: a motivação dos jogadores. Isto se desdobra, basicamente, em duas questões bastante pertinentes:

  • Por que alguém jogaria o seu jogo?
  • O que se espera de um jogador, em seu jogo?

O primeiro questionamento se responde pelo contexto, ou melhor, pela impressão causada por este. Se o seu jogo tem foco na investigação, ele consegue emular essa necessidade? Se colocar seus jogadores em dilemas pessoais é a sua premissa, o jogador se sente convidado a vivenciar isso? Se você pretende trabalhar administração de recursos, o cenário torna eles importantes (e escassos) para esse tipo de cuidado? Se a sua resposta fosse “sim” em cada um destes exemplos, você estaria no caminho certo.

O segundo questionamento tem a sua resposta na prática do jogo, na sua lógica. Pois é por ela que os jogadores terão pistas do que fazer, e de como fazer, dentro de uma história. Por exemplo, se a mecânica do seu jogo emula alta periculosidade, os jogadores provavelmente precisam ficar juntos para prosseguir na história; se apresenta mecânicas de medo e delírio, significa que há um apelo maior ao drama pessoal; se o jogo funciona sob narrativa compartilhada, precisa ser mais participativo que em jogos com estrutura tradicional, etc.

recompensa

Claro que o bom desempenho dos jogadores pode resultar em boas recompensas, dentro (riquezas, poderes e experiências para o Personagem) e fora (satisfação, uma história divertida, um bom momento com os amigos, etc) da história.

Trabalha, Hebreu!

Agora que as Três Perguntas foram devidamente analisadas, o quê você está esperando? Volte imediatamente para o seu projeto, que pode ainda render um jogaço! Quem sabe você ainda consegue terminá-lo a tempo de levar consigo para o LabJogos deste ano?

Se conseguir após ler este artigo, me encontre por lá e me conte como foi o seu processo (garanto que, para mim, não terá honra maior que ouvir a sua história). Que Luna os ilumine, e até a próxima!

P.S: Não conhece Legend of Mana? Pois baixe um emulador de PSOne e jogue-o, pois valerá bastante a pena! :D

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. 04/04/2014 22:26

    Grande Jairo!

    Lembro de quando o Jão me apresentou as perguntas, numa das diversas e constantes vezes que vocês dois torravam meu cérebro com brainstorms malucos sobre meu próprio RPG! haha

    Ótimo post, acho que as perguntas ajudam muito no processo de criação.
    E pô, que escolha de imagens hein?

    Legend of Mana é bom demais!

Trackbacks

  1. Começou O “Orquestra De Jogos 2014″. | O Velhinho do RPG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: