Skip to content

Segundo Round Na Criação Nacional de Jogos: RPGénesis

06/08/2013

Este ano corresponde, ao meu ver, à tão falada “Era de Ouro” do RPG nacional. Tivemos o estrondoso sucesso do FVM 2013 (que resultou, também, no primeiro LabJogos) e, no embalo, seguiu-se a produção do Game Chef. Tudo isso entre reuniões de grupos de jogo e grandes eventos, como a EIRPG e o World RPG Fest (que, neste ano, não pude participar…) Agora, temos o “Round 2” deste maravilhoso processo, iniciado na última segunda-feira (05 de agosto).

553408_666482670047054_502832451_n

Esta iniciativa já aconteceu em outros anos, graças à parceria de RPGistas brasileiros e portugueses. A proposta é similar aos concursos anteriores: criar jogos, a partir da cooperação da comunidade RPGística. Muita coisa legal tem saído deste processo, como o UED – estrela do ano passado.

Mas, desta vez, o processo mudou um pouquinho…

Cronograma

Neste ano, o RPGénesis cresceu (mas nem ficou tão diferente assim), como fica mais claro no diagrama abaixo:

601965_612356672132080_166334373_n

Neste mês, duas semanas estão dedicadas ao evento:

  • Semana do Editor, que está em andamento (do dia 5 até o dia 11) destaca-se pela edição de jogos já existentes, de qualquer forma: uma aventura, um cenário, um item especial, uma nova regra… enfim, qualquer coisa que aprimore o jogo original;
  • Semana do Autor, que acontecerá do dia 19 até o dia 25 deste mês, corresponde à premissa principal deste processo: a criação de jogos novos e originais, a partir da discussão geral da comunidade Rolista luso-brasileira.

Ficou interessado em participar? Ótimo, e seja muito bem-vindo! Aqui você terá contato com outros jogos já em edição, no espaço concedido pela Secular Games (os mesmos doidões por trás do FVM…). Aqui e aqui, os links para registro dos jogos para as Semanas Temáticas (Editor e Autor, respectivamente). Espaços Independentes Além dos concursos de criação, alguns espaços alternativos de criação de jogos tem-se formado país afora. E gostaria de apresentar-lhes um deles, que considero o “primo-irmão” deste blog:

image

Aqui, nós conversamos , discutimos e criamos jogos – mas não com a formalidade técnica de uma oficina, ou laboratório. Trata-se de um Bar mesmo, um espaço aberto para que vocês, caros visitantes, possam dar as caras e contribuírem com suas construções.

Tenho certeza de que o tempero de vocês irá dar a nós o sabor que esperamos ter em cada jogo – e já temos um bom cardápio para lhes servir, envolvendo Massa Crítica (um dos finalistas do FVM) e o Pulse (campeão do primeiro Game Chef  brazuca, neste ano).

O que esperam para visitarem nosso querido Barzinho? Venham, e envolvam-se com a efervescência da criação de jogos no Brasil!

[Update #1 – Semana do Editor]

Ao término desta Semana do Editor, venho-lhes apresentar os projetos concluídos:

  • ESC Reloaded: Criado por Guilherme Korn, ESC é um jogo de fuga dimensional, onde os próprios conceitos da realidade o perseguem. Interpretando os Escapers, você viaja entre as mais diversas dimensões, e vive qualquer tipo de história que puder imaginar. Com um sistema de regras amadurecido – desde sua primeira versão – e sólido, o blog Voo da Fênix apresenta a nova versão de playtest do jogo, que foi criado no Faça Você Mesmo 2013, e agora recebe um novo fôlego na Semana do Editor do RPGenesis. (para baixá-lo, você o acessa aqui);
  • Estrelas Distantes: O autor Chico Martellini aventurou-se no espaço, em um hack do World of Dungeons, de John Harper, ambientado em um futuro próximo (algo coerente com os artigos da AEB sobre a indústria e o direito espacial), e também similar ao universo criado por Roberto de Souza Causo, em Glória Sombria. Confira o trabalho do amigo Chico por este link;
  • Cidade Obscura: Também interagindo com o world of Dungeons (que ele próprio traduziu, o “Mundo de Masmorras”), o Ludonauta João Mariano levou o “Mundo das Trevas” para este sistema. Nas palavras do autor, “A ideia é ter um documento de jogo que permita entrar casualmente neste mundo de conspirações sobrenaturais e de fantasia moderna mas sem se prender demasiado a este ou a outro detalhe.” Confira o projeto dele aqui;
  • A Guerra Pela Cruz: A partir do Sistema Carnage (3:16), o autor Bruno Neves enfocou-se nas Cruzadas. Mas aqui as personagens são os muçulmanos, lutando pela defesa de seu território da invasão dos Francos. Para ver como ficou este trabalho, acesse-o por aqui;
  • Jueju: Neste jogo, eu e o parceiro Diego Astaurete buscamos incorporar os valores e dramas épicos da China Mítica, a partir da formulação coletiva de histórias (que, posteriormente, tornar-se-ão poemas durante o jogo). Se você deseja conferir nosso trabalho, acesse-o aqui;
  • Insomnium: O amigo Daniel Violato se aventurou mais uma vez na criação de jogos com o Insomnium, já apresentado durante o Game Chef deste ano. O jogo aborda os pesadelos, associando seus jogadores em um evento onírico, e fatal para o “sonhador”. Para ter maior conhecimento sobre o instigante Insomnium, basta acessar o seguinte link;
  • Ghost/Reverb: E não é que tivemos, também, participação internacional neste ano? O autor Todd Zircher promoveu uma reedição de um jogo criado por John Harper (o mesmo autor de World of Dungeons), o Ghost/Echo. Para saber como ficou esta reedição, leia-o aqui;

Outros projetos igualmente interessantes não conseguiram ser concluídos a tempo, mas mesmo assim não perderão o seu valor (ou, tampouco, serão abandonados):

  • Anônimos RPG: Em sua primeira participação na Semana do Editor, Marcos Silva resgatou um projeto já anunciado anteriormente, e que andava meio esquecido: Anônimos RPG. Um hack de Apocalypse World ambientado na clássica concepção cyberpunk, e tendo como influência títulos como a Trilogia Sprawl. Caso queira conferir e contribuir com o Anônimos, acesse-o aqui;
  • Órbita – Poder e Corrupção: O “Botequeiro” Julio Matos resolveu trabalhar no jogo Órbita, concebido inicialmente por Thiago Hackbarth (este é o link de acesso à obra original). Para ver e ajudar nosso amigo “UEDitor”, basta clicar aqui;
  • UED Space Oddity: Nosso amigo Encho resolveu explorar o sistema Lost Dice em um hack espacial. “Em ISS Orbiter você não é a resistência. Você se esconde e tenta sobreviver em um dos ambientes mais nocivos para o homem, em uma lata velha gigante que, apesar de não estar pronta para retomar o planeta Terra dos Invasores alienígenas, está bastante adaptada para a sobrevivência no espaço.” Vamos continuar acompanhando o trabalho deste rapaz “doidão” para continuar neste projeto!
  • Sindicato dos Robôs Gigantes: Uma paródia muito bem bolada por Phil Souza: o jogo fala de um mundo que está cheio de monstros gigantes ameaçando a paz do nosso planeta e que em proporção igual temos robôs gigantes – entre outros herois colossais – que surgiram para confrontar essas ameaças. Após muita destruição gerada desses combates uma lei internacional foi criada forçando os rôbos gigantes (grande maioria dos heróis do planeta) a trabalhar em “serviços alternativos” para pagar a destruição causada por eles nos combates. É outro que, com certeza, não deixaremos perecer.

[Update #2 – Semana do Autor] Com a conclusão da segunda e última parte do RPGénesis deste ano, apresento-lhes os jogos criados dentro do prazo de uma semana:

  • Bravos: neste projeto, Julio Matos explorou a segunda infância, rodeada por perigos e na busca de socorro. Poderão os Bravos manterem-se unidos para encontrar abrigo e apoio ao seu vilarejo, que fora atacado? Descubra mais sobre este lindo jogo neste link;
  • Gravidade Zero: Um jogo sobre a lei, e o espaço que nos cerca. Os jogadores atuarão como apenados em liberdade condicional que estão submetidos à prestação de serviços, como agentes patrulheiros da rota terra-marciana, em nome da Divisão de Crimes Ultra-Orbitais (DCU). Se tens interesse em propagar as leis pelo vácuo, basta clicar aqui e aqui;
  • Killer Race: Neste jogo, o autor Bruno Neves resgata o glamour e perigos dos primeiros circuitos automobilísticos, entre as décadas de 50 e 70. Faça também parte deste desafio vicioso e letal, clicando aqui;
  • Hex: O autor Vinícius “Encho” Chagas (já conhecido pelo RPG Pulse) nos traz um contexto singular, em que cada indivíduo possui uma aura, e consegue manipulá-la para obter poderes extraordinários de acordo com a sua cor. Claro que tal possibilidade atiça muitos perigos, como grupos compostos de Hex (indivíduos que manipulam suas auras) e, também, movimentos “anti-Hex”. Saiba mais sobre este jogo, no mínimo, intrigante, aqui;
  • Broadway: Este jogo possui uma beleza singular, caracterizada por Guilherme Korn em dois âmbitos perfeitamente sincronizados. Em um fluxo narrativo e compartilhado, os jogadores irão criar não apenas uma história, mas também o seu “musical” (sua teatralização, no sentido mais amplo da palavra). Busque aqui este belo livro, e aventure-se no Palco;
  • Vega$ – Prado$ Verde$: Neste livro, Daniel Violato nos leva até o lado mais sujo e grotesco de Las Vegas – um mundo de trapaças, barganhas e, principalmente, negociação. Se desejas entrar de cabeça neste mundo, aqui está a porta de entrada;
  • Insetopia: O que você faria se, da noite para o dia, você sofresse uma transformação radical? É justamente o que proponho a vocês neste jogo: uma nova vida, como um grande inseto, vivendo entre os pavores da população humana e de outros que também passaram por isto. Se você aprecia a obra de Franz Kafka e sinta-se desafiado a viver como uma criatura não mais humana, venha por aqui;
  • Hipéria: Hipéria é um mundo Hiper Fantástico onde heróis pouco prováveis aventuram-se em busca de Focus, uma misteriosa energia natural que concede habilidades extraordinárias áqueles que possuem o dom para usufruir suas benesses.
    Você jogará com um Vetor, um habitante de Hipéria que tem a capacidade de absorver e manipular o Focus afim de moldá-lo na forma de diversas habilidades – desde aquelas que você já domina até as desconhecidas por você até o momento da absorção. Desvende mais o mundo de Hipéria por este link.

Infelizmente, nesta segunda semana também tivemos projetos inacabados, tais como:

  • Meu Querido Professor: Neste jogo, Phil Souza pretende transformar os jogadores em Assassinos, a serem graduados em uma escola para esta profissão. No entanto, a prova final está em derrotar seu Professor (caracterizado pelo Mestre), e aquele que o assassinar torna-se um imortal entre os assassinos. Vamos acompanhar este processo de criação para mais um jogo bacana;
  • Manequim: Neste jogo, Diego Astaurete transforma os personagens em Manequins – pessoas que foram vendidas por seus pais para o mercado que cuida do tráfico de seres humanos, cujos representantes respondiam por uma entidade corporativa denominada Vitrine. Os manequins prestam os mais variados tipos de serviço para eles, variando desde ajudar um candidato político a se eleger ameaçando seus concorrentes de assassinato, até uma simples venda do corpo com fins sexuais para um rico empresário que ajuda a financiar a Organização. Caso desejem contribuir com este projeto, confiram-no aqui;
  • Lacaios: Criado pelo amigo Manuel Gomes,  o jogo se foca em vampiros com poderes selados, os Lacaios, utilizados por agências secretas que combatem criaturas sobrenaturais, inclusive outros vampiros. Vamos aguardar pelo seu desenvolvimento;
  • Alvorada do Lamento de Metal: O lusitano Rui Anselmo desenvolveu um contexto muito interessante para esta Semana do Autor: um jogo pós-apocalíptico de fantasia metálica (bem focado no aspecto “mecânico” da sobrevivência e horror). Vamos ficar no aguardo de mais notícias sobre este projeto;
  • Garotos Perdidos: “Um jogo sobre aventura, audácia, brincadeiras, diversão e inocência. Os jogadores vivem aventuras infinitas na pele dos Garotos Perdidos da Terra da Nunca, crianças que descobrem que podem voar quando banhados pelo pó de pirimpimpim, um presente concedido pelas fadas e em alguns casos até por Sininho. Os Garotos vivem a Infância, uma etapa especial da sua vida, repleta de imaginação e criatividade que são forças poderosas e que podem ser usadas como ferramentas”. Vamos prestar nosso apoio ao Romani, para que ele conclua este incrível projeto.

Que Luna lhes ilumine, e até a próxima!

Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. 08/08/2013 10:13

    Grande ciborgue!

    O que seria do Aventurando-se sem você?
    Atenderei seu chamado, muito bom saber desses eventos rolando.

    • m4lk1e permalink
      08/08/2013 12:22

      No teu caso, já está passando da hora de apresentar o Quintessência… -_-

      • 15/08/2013 09:50

        Hahahahahahaha

        Levei bronquinha!
        O Quintessência não tá no formato que eu quero ainda meu amigo…
        Mas estará! Algum fds vai me dar loucura e eu vou escreve-lo em 48 horas ininterruptas, tenho certeza!

Trackbacks

  1. Botequim dos Jogos ep39 | #RPGenesis2013 | ZeoKang Studio | Game Design

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: