Skip to content

RPGCon 2012: CANCELADA

27/09/2012

 

Caros Amigos RPGistas,

É com muito pesar que venho aqui para dizer que não teremos uma RPGcon em 2012.

Eu e o D3 tentamos. Tentamos de todas as formas viabilizar o evento esse ano, com o mesmo sacrifício e amor ao hobby que tivemos nos anos anteriores. Mas dessa vez não foi possível.

Somam-se às dificuldades costumeiras (falta de patrocínio, falta de apoio da indústria do RPG), alguns problemas pessoais meus e dele e realmente ficou complicado conseguir os recursos financeiros disponíveis para fazer acontecer, esse ano.

Nos últimos minutos desse jogo, nós tentamos pedir ajuda para a comunidade através de um financiamento coletivo no Movere.me, e agradeço profundamente a todos os bravos 107 guerreiros que compraram essa briga com a gente.

Mas nós vacilamos com o timing para esse pedido e o período do financiamento foi curto demais para alcançar o montante necessário.

Foi comovente ver diversos blogs publicando vídeos de apoio, encabeçados pela iniciativa do Daniel de Sant`anna. Amigos antigos como o Marcelo Cassaro doar raridades do seu acervo pessoal para ajudar no nosso sonho e novos como o Ale, da RPGVale correr atrás de empresas para patrocinar o evento.

Agradeço demais ao pessoal da Secular Games, da RedBox e da Retropunk, companheiros que fizeram todo o possível pra ajudar a mim e ao Douglas em toda essa batalha.

Agradeço também a todos os outros amigos e anônimos, que no Twitter, nos sites, nas listas, fizeram tudo o que podiam pra espalhar o nosso esforço.

Meus mais sinceros sentimentos a todos vocês. Mesmo.

Mas a verdade é que o RPGcon chegaria ao quarto ano, com uma perspectiva muito ruim de retorno financeiro. Pouquíssimas empresas haviam confirmado presença com estandes, outras simplesmente não cumpriram com o prometido e algumas não pagaram dívidas conosco de anos anteriores.

Nós dois acumulamos prejuízos operacionais desde o primeiro ano, cedendo muito espaço gratuito para associações, grupos e empresas, acreditando que juntos aumentaríamos o bolo e teríamos mais para repartir. Esse sempre foi o nosso sonho: Construir um ambiente onde todos tivessem espaço pra crescer e nos ajudar a crescer. Uma parceria ganha-ganha.

Mas o tempo vai passando, e a coisa não se torna realidade. Ano após ano, a gente vai acumulando prejuízos, vamos revendo os custos e a estrutura, pra poder fazer o evento dentro do orçamento apertado que podemos arcar. Mas a verdade é que nós dois sozinhos não temos recursos para financiar um evento caro como este e sem a ajuda da indústria, que não vê no evento, um ambiente tão interessante como acreditamos que é, fica impossível sustentar esse cenário.

Muitos amigos dizem que falhamos na divulgação, que falhamos no planejamento, que falhamos até em usar melhor a comunidade a nosso favor. Talvez estejamos falhando realmente nesses pontos todos. Talvez tudo se resuma a abordagem que demos ao evento. Fica realmente difícil identificar o real motivo, quando falta o que é o principal: Dinheiro pra pagar os custos.

Fica aqui a alegria de termos criado um espaço que permitiu o surgimento e crescimento de novas editoras como a RedBox, a Retropunk, a Secular Games e a Coisinha Verde. Fica aqui a satisfação de termos, de alguma forma, contribuído nessa retomada do RPG nacional e fortalecido elos de amizade.

Pedimos desculpas a todos que estão decepcionados com essa triste notícia aos 48 minutos do segundo tempo. Nós também estamos, acreditem.

Obrigado a todos que estiveram presente nos três anos do RPGcon e esperamos encontrar com todos vocês em futuras aventuras.

Wallace Garradini

 

Fonte: Página da RPGCon no Facebook

 

 

Acho difícil analisar friamente essa notícia.

Meu lado emocional fala mais alto nessas horas, pois tive momentos únicos na RPGCon, e graças ao evento tive a oportunidade de cultivar muitas amizades.

Mas não, não é uma surpresa. O RPGCon sempre foi pra mim um paliativo do falecido EIRPG, e dava pra ver que o evento ainda se mantinha por pouco. Não vou criticar os organizadores, pois ninguém tem moral pra jogar pedra nos caras que fizeram de tudo pra não deixar a peteca cair.

Mas ela caiu.

Só o tempo nos dirá as reais consequências disso, mas eu acredito que crise também é sinal de recomeço.

O horizonte seria nebuloso se não houvesse a World RPG Fest para nos salvar. Parece que o pólo do RPG nacional está mudando de cidade, e na minha opinião isso não é algo necessariamente ruim.

O importante é mantermos o espírito do nosso hobby vivo!

 

Anúncios
9 Comentários leave one →
  1. 27/09/2012 23:09

    Que bosta! É uma pena!

    Por que eu não fui na World RPG Fest!? :(

    • 28/09/2012 10:53

      Nos encontre ano que vem na WRF então Diogo!
      Acho que está na hora dos organizadores de eventos começarem a trocar figurinhas. Como que o WRF se sustenta e o RPGCon não? Deve haver alguma maneira de driblar os obstáculos.
      Vou começar a fuçar nessas coisas, quem sabe não posso ajudar em algo.

  2. Gerbur Forja-Quente permalink
    27/09/2012 23:46

    Putz meu, que foda…

    Que notícia triste para o RPG…

    Eu não entendo como algo tão sensacional como o RPG não consiga pagar suas contas e enfrentar tantos obstáculos, é uma pena mesmo…

    Espero que os organizadores da RPGCon não percam a fé e em anos futuros eles voltem a tentar organiza o evento. E que mais pessoas que possam ajudá-los, ajudem.

    E que o RPG vença no final!

    • 28/09/2012 09:32

      Fala Chico, blz?

      Na minha opinião as coisas talvez sejam pior do que parecem… O RPGcon teve claros problemas de viabilização no sentido financeiro, não havia nenhum grande grupo com interesse econômico por trás e o evento em si não tinha margem de lucro pros organizadores. Fala serio, organizar qualquer grande evento por uns 50, 60 mil é muito barato.

      Já o WRF pelo q fiquei sabendo ( o du me falou +-) parece que tem um patrocinador particular para que o evento aconteça. O que e muito legal, mas não torna o evento sustentável si. Significa que s esse patrocinador não existisse, não haveria WRF. E pelo q me parece esse patrocinador não tem interesse econômico no evento, e só um hobby para ele. O que e legal, mas se ele espirrar o WRF acaba.

      Acho que o RPGcon descobriu a saída para ele, mas já era muito tarde. O financiamento coletivo realmente funciona, e um planejamento maior em cima dele pode ser a saída.

      Abs

  3. 28/09/2012 08:42

    Fala Nimbus!

    Cara, se o WRF estiver atrelado a vontade dum mecenas, a gente tá na merda. Não dá pra confiar nisso.

    E sim, o financiamento coletivo parece ótimo!
    Acho que é uma boa saída, mas também não tenho certeza se dá pra cobrir a maior parte dos gastos da organização do evento com isso.

    Como o Gerbur disse, espero que o fiasco (trocadilho horrível) da RPGcon não assuste outros possíveis organizadores.

    • 28/09/2012 11:23

      Boto Fé, hein Chico!
      Com sua licença, vou colar aqui um comentário meu de resposta ao Wallace:
      Se os bravos organizadores da RPGcon me permitem fazer uma crítica, acho que o uso deste argumento da “falta de apoio da indústria” revela um dos problemas: a insistência em seguir o modelo obsoleto da EIRPG, em que uma grande empresa – a Devir – bancava o evento em uma ação de marketing para promover os próprios produtos. Ora, se a Devir concluiu que o EIRPG deixou de ser vantajoso para ela, não devíamos ter percebido que o modelo estava falido? Ao invés de tentar um “arremedo de EIRPG”, não devíamos estar procurando outras alternativas? Talvez olhando para os eventos mais roots que estão acontecendo localmente, como o Quero Jogar RPG de BH ou os eventos do D30 em Brasília, ambos plenamente divorciados de interesses comerciais e movidos exclusivamente pela vontade dos jogadores de RPG em jogar! Pelo menos era isso o que eu achei que estava acontecendo com a iniciativa de financiamento coletivo, e foi por isso que eu “contribuí” (na verdade eu acho que estava mais para patrocínio com ingresso em troca).
      Agora com essa declaração do Wallace eu fico pensando: se faltou apoio da industria, quer dizer que 30.000 não eram suficientes? Quanto custa esse negócio, então? Afinal, conseguir 10.000 em dois meses não é pouca coisa! Penso que num cenário de financiamento coletivo a falta ou deficiencia de divulgação está, sim, diretamente ligada à falta de dinheiro!
      E mais: até onde eu sei, a indústria do RPG existente hoje não poupou esforços para ajudar. Estou falando da indústria viva, da RedBox, da Retropunk e Secular Games, que estão, de fato, produzindo e vendendo RPG no Brasil hoje, e com lucro. Estou certo de que todas elas comprometeram todos os recursos que tinham à disposição para dar apoio à RPGcon 2012. Então, pessoal, por favor, vamos parar de mimimi e vamos começar a botar a cabeça pra funcionar!

      • 28/09/2012 13:47

        Disse tudo Jão!
        O modelo de negócios do RPG já mudou faz certo tempo, não dá pra ficar atrelado ao que tínhamos no EIRPG.

        E não digo isso só na questão de dinheiro, mas na própria organização do evento. O RPGcon não só servia como paliativo do EIRPG, mas também PARECIA um!
        Até a (des)organização dos eventos/atrativos/stands era parecida!

      • 28/09/2012 15:00

        Não acho que a “industria viva” do rpg está tendo lucro exatamente. Ainda acho que é tudo meio hobby e as pessoas não são remuneradas pelas horas que gastam com a produção. Sei que viver profissionalmente de rpg é difícil, mas quem vai se dedicar a organizar um evento para mais de 5000 pessoas (2500 pessoas por dia) tem que ganhar bem. Ser bem remunerado e ter margem de lucro.
        E mesmo as editoras e os autores fazem livros porque é legal, e não porque dá grana.

        Acho que eles precisam tirar mais grana do povo. Quando fomos pro WRF gastei 30 reais com o evento e 150 no hostel. Quem ganhou mais com a minha ida pra lá? Isso porque não comprei adiantado, se tivesse, seriam 20 ao inves de 30.

        O financiamento coletivo me parece uma ótima forma de se viabilizar uma idéia, tendo margem legal e tudo mais. Mas é preciso planejamento e organização. Para esses eventos grandes é preciso mais profissionalismo. Não da pra organizar um “rpgcon” como se organiza um “quero jogar”. Isso é amadorismo.

        O Wallace coloca tb que a grana que falta é o principal. Meu pensamento é que grana sempre é a consequencia de um bom trabalho, adequado a situação que se encontra. Se faltou grana, entao acho que em algum ponto do planejamento eles erraram.

  4. 28/09/2012 15:26

    Concordo em partes contigo Nimbus.
    Seria bom para o evento se eles “tirassem mais grana do povo”, mas acho que isso espantaria parte do público. Se fosse algo obrigatório.

    Querendo ou não, você teve muita opção de produtos para comprar no evento, mas a escolha de permanecer com o escorpião no bolso foi sua.

    Se levarmos em consideração o quanto o Jairo gastou, teremos um relato bem diferente.

    Mas a questão de amadorismo/profissionalismo é interessante.

    Será possível que um hobby seja levado e, o mais importante, mantido, como uma profissão aqui no Brasil?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: