Skip to content

Porque eu jogo RPG?

29/05/2012

Hoje no telefone conversando com uma amiga fui questionado pelo motivo de eu gostar tanto de RPG.

Foi uma pergunta repentina, mas eu usei minha resposta pronta, praticamente infalível:

“RPG é um jogo onde cada um pode interpretar um personagem em uma história. É como se você fosse um herói de um livro de fantasia! É super divertido e interessante vivenciar algo tão diferente dos outros jogos”.

A resposta foi suficiente (“seu nerd!”) e o telefonema logo terminou. Mas confesso que mesmo após ter desligado, fiquei com essa questão na cabeça. Será que a minha resposta pronta era mesmo suficiente pra justificar minha paixão pelo RPG?

Fiquei espantado por nunca ter parado e pensado seriamente a respeito. Sempre valorizei o papel da história e da interpretação no hobby, e na minha cabeça sempre foi isso que me atraíra tanto ao jogo. Mas depois de 10 anos jogando, era só isso mesmo que me prendia?

Pensei por um tempo e cheguei a conclusão que deveria haver algo mais. Lembrei de tudo que já vivenciei, das aventuras que passei, emoções que senti e momentos que vivi. Todos foram únicos, com certeza. Mas, talvez ainda mais importante: nada disso eu passei sozinho.

Relembrei então de todos os amigos e inimigos que lutaram ao lado ou contra meus personagens. Um moldou a personalidade do outro, e cada um enriqueceu o jogo à sua forma. E quem eram estes personagens que estavam nestes momentos?

Os personagens dos meus amigos.

E aí finalmente está a resposta da minha pergunta!

O RPG proporciona não só a vivência de experiências únicas, mas também o compartilhamento das mesmas com os  amigos. Todo personagem transmite um traço de seu respectivo jogador, e os heróis de uma campanha não deixam de ser nós mesmos, em outras roupas.

O trunfo do jogo reside na possibilidade de vivenciar uma aventura fantástica, e vivê-las com aqueles que são importantes pra você!

O clérigo que leva golpes de inimigos para curar seu aliado semi-morto, o ladino que deixa suas ambições de lado para manter a união do grupo e o guerreiro que pula na frente do mago para protege-lo das flechas inimigas não faz isso só por dever, mas faz principalmente pela amizade!

J.K. Rowling traduziu isso muito bem no primeiro livro do Harry Potter:

Mas daquele momento em diante, Hermione Granger tornou-se amiga dos
dois. Há coisas que não se pode fazer junto sem acabar gostando um do outro, e
derrubar um trasgo montanhês de quase quatro metros de altura é uma dessas
coisas.

Tenho certeza que qualquer RPGista entende muito bem este sentimento!

E, pra não perder a oportunidade, aproveito e dedico este post aos meus amigos e companheiros de aventuras. Muito obrigado!

“Um por todos, todos por um!”

Anúncios
13 Comentários leave one →
  1. 29/05/2012 00:37

    Sem dúvida nenhuma, estar com os amigos é que realmente importa!, o Xp e o equipamento ganho não são nada perto das risadas compartilhadas… lembro de muitas aventuras de coisa que ficamos chorando de rir por algum comentário nada a ver do que propriamente do que estava ocorrendo na aventura!

  2. 29/05/2012 01:07

    De fato, a parte de história, risadas, interpretação, mais risadas, situações adversas, e etc são legais, mas o mais legal são as pessoas a sua volta (Claro que tem exceções… Ric… e Marg…,) mas na maioria das vezes os amigos em volta da mesa são o que garantem a diversão e o prazer em jogar RPG!

    E eu reparei que tamo ficando velho hein chico? já têm 10 anos que a gente joga Çâporra! UAEHUAEHUAEHAU

  3. 29/05/2012 02:03

    Otimo post, Chico! Você foi ao X da questão! É uma pena que as pessoas não percebam o valor no nosso hobbie em tempos de entretenimentos individualistas e bestificantes por todo lado!

  4. 29/05/2012 10:46

    Exatamente. Comparando:
    Por que as pessoas vão aos bares? Álcool por álcool, daria pra beber em casa.
    Porque as pessoas assistem jogos juntos na frente da TV? os jogadores não estão escutando seus gritos.
    E assim por diante…

  5. 29/05/2012 10:50

    Tamo ficando velho mesmo…
    Mas Chaves já nos ensinou:

    “Você é tão jovem quanto sente
    Pode apostar: é jovem pra valer.
    E velho é quem perde a pureza
    E também é quem deixa de aprender!”

    E você foi num ponto importante Jão!
    O nosso RPG vai contra o individualismo atual. O RPG eletrônico é muito mais adaptável neste quesito.

    Sorte que ainda existem os jovens sonhadores ;)

  6. gerbur12 permalink
    29/05/2012 19:26

    Mestre Chico, excelente post! Parabéns!

    Sim, o RPG não é a última bolachinha do pacote, não é mais novidade para ninguém (até quem pensa que RPG é algum ritual satânico, já acredita nisso ha um bom tempo, rs). Como então ele continua se renovando e se reinventando ano após ano?

    Acho que você matou a questão: são os amigos. Nada como reunir a galera para juntos matar o dragão e salvar a princesa! Compartilhar momentos divertidos e também de dificuldades, porque não? Colaborar com os amigos, trabalhar em equipe! RPG é um jogo de colaboração, não se ganha sozinho. E para você vencer, o outro não precisa perder. É genial! Bem diferente do momento individualista, egocêntrico e exibicionista (tempos do pouco racional reino do BBB) que vivemos atualmente.

    Concordo contigo, Chico, o RPG são os amigos!

  7. 29/05/2012 22:45

    Disse tudo! Não há nada melhor do que discutir planos de infiltração e estratégias de batalhas com aqueles que estão sempre ao seu lado. Seja em um boteco ou taverna, a amizade é o motivo de estar lá rolando um dado (ou a si mesmo). Ótimo post, Daniel Shiro!

  8. 29/05/2012 22:47

    Desde que você não tenha um amigo “Leroy Jenkins”…
    Mas acho que mesmo nesses casos vale a pena. No mínimo é engraçado! haahha

    Bom, o post é meu, não do Shiro.
    Mas obrigado mesmo assim! hahaha

  9. Rafael Filho permalink
    29/05/2012 23:52

    Eu também me apaixonei por esse jogo ao me acostumar a experimentar viver um mesmo sonho que meus colegas de jogo.

Trackbacks

  1. A importância do herói «
  2. Caravana do Mago Manco no World RPG Fest 2012 – O Último Debate «
  3. “Welcome. Come freely. Come safely; and leave something of the happiness you bring” |
  4. Gary Gygax, o primeiro Mestre |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: