Skip to content

50 maneiras de evitar os deslizes trágicos dos tiranos

13/05/2012

Depois de uma tarde procurando um assunto interessante para transformar em artigo e compartilhar com vocês, caros leitores, eis que encontro um texto antigo e divertido – uma lista de coisas que um lorde do mal deve fazer para evitar que heróis o derrotem. Então, sem mais delongas, vamos às dicas:

Image

1. Meus dutos de ventilação seriam pequenos demais para que alguém se arrastasse por eles.

2. Meu nobre meio-irmão, de quem usurpei o trono, seria morto – e não mantido em uma cela esquecida na masmorra de meu castelo.

3. O artefato que é a origem de todo o meu poder não estaria guardado na Montanha do Desespero além do Rio de Fogo e vigiado pelos Dragões da Eternidade. Estaria em meu cofre particular, em um banco.

4. Quando tivesse capturado meu adversário e ele dissesse “Espere! Antes de me matar, você não pode pelo menos contar o seu plano?” eu atiraria e depois diria “Não”.

5. Eu jamais incluiria um botão de autodestruição. Se a inclusão deste fosse absolutamente necessária, com certeza não se pareceria nada com um enorme botão vermelho com os dizeres “Perigo: Não aperte.”

6. Não encarregaria meu tenente mais confiável de matar a criança que, segundo as profecias, estaria destinada a me derrotar quando alcançasse a idade adula. Eu mesmo faria isso.

7. Eu estaria seguro da minha superioridade. Desta forma, não chegaria a sentir a necessidade de prová-la para os outros, deixando pistas em forma de charadas estúpidas ou deixando meus inimigos mais fracos vivos, somente para demonstrar que eles não representam ameaça.

8.Não perderia tempo fazendo com que a morte de meus inimigos parecesse um acidente: não devo satisfações a ninguém – e meus inimigos não acreditariam nisso, de qualquer forma.

9. Um dos meus conselheiros seria uma criança de cinco anos. Todas as falhas em meu plano que ela fosse capaz de apontar seriam corrigidas imediatamente, antes que o próprio fosse implantado.

10. O herói NÃO tem direito a um último beijo, um último cigarro ou qualquer outra forma de último pedido.

Image

11. Se a linda princesa capturada dissesse “Eu nunca vou me casar com você! Nunca, entendeu? NUNCA!”, eu diria “Oh, puxa” e a mataria.

12. Jamais me utilizaria de qualquer dispositivo que incluísse um contador digital. Se isso fosse inevitável, programaria o dispositivo para que ele ativasse quando o contador atingisse 117, exatamente quando o herói estivesse começando a pensar num plano para desativá-lo.

13. Nunca diria a frase: “Mas antes de matá-lo, há uma coisa que eu gostaria de saber”.

14. Quando eu contratasse conselheiros iria, ocasionalmente, ouvir seus conselhos.

15. Contrataria um famoso estilista para projetar uniformes originais para a minha Legião do Terror, em vez de fazê-los usar uniformes baratos que lembrassem soldados nazistas, guerreiros romanos ou hordas mongóis. Todos esses foram derrotados, e eu gostaria que minhas tropas tivessem a mente positiva.

16. Todas as raparigas gostosas e peitudas nas tavernas do meu reino seriam substituídas por gordas horríveis, incapazes de fornecer qualquer reforço, apoio, ou interesse romântico aos heróis e seus companheiros.

17. Minha fortaleza teria um depósito especial de armas primitivas e minhas tropas seriam treinadas no uso das mesmas. Assim, caso os heróis neutralizassem o gerador principal ou tornassem de algum modo as armas de energia inúteis, minhas tropas não seriam derrotadas por um bando de selvagens armados com paus e pedras.

18. Eu nunca construiria apenas UM exemplar de algum item importante. Pelo mesmo motivo, andaria sempre com DUAS armas carregadas.

19. Meu monstro de estimação seria mantido em uma jaula segura, da qual ele não pudesse escapar e na qual eu não pudesse cair por acidente.

20. Eu me vestiria em cores alegres e brilhantes apenas para confundir meus inimigos.

Image

21. Se um mensageiro chegasse com más notícias, eu não voaria em fúria e o mataria apenas para mostrar toda a extensão da minha maldade. Bons mensageiros são difíceis de achar.

22. Eu nunca construiria um computador inteligente que fosse MAIS inteligente do que eu!

23. Jamais me transformaria numa cobra. Isso nunca ajuda.

24. Nunca usaria cavanhaque. Nos velhos tempos isso fazia você parecer diabólico. Hoje em dia te deixa com cara de algum membro rejeitado da Geração X.

25. Se meu tenente de confiança dissesse que minhas Legiões do Terror estão perdendo a batalha, eu acreditaria nele. Afinal de contas, ele é meu tenente de confiança.

26. Uma vez que meu poder estivesse assegurado, eu destruiria todos aqueles dispositivos idiotas de viagem no tempo.

27. Se um conselheiro me dissesse “Meu lorde, ele é apenas um homem. O que um homem sozinho pode fazer?” eu responderia “Isto!” e mataria o conselheiro.

28. Meus computadores teriam seu próprio sistema operacional especial, totalmente incompatível com os powerbooks da IBM e Macintosh.

29. Não demonstraria cavalheirismo ou senso esportivo. Se tivesse uma superarma invencível, usaria-a imediatamente ao invés de mantê-la na reserva.

30. Não importa o quão atraentes possam ser algumas rebeldes. Provavelmente há alguém que não queira me matar e que seja tão atraente quanto. Exatamente por isso, eu pensaria duas vezes antes de ordenar que uma prisioneira fosse trazida aos meus aposentos.

Image

31. As entradas da minha fortaleza seriam do tamanho normal de uma porta. Embora gigantescas portas duplas impressionem as massas, elas se tornam incrivelmente difíceis de fechar com rapidez em caso de urgência.

32. Jamais interrogaria meus inimigos em meu santuário secreto. Um pequeno hotel fora dos limites de meu reino seria suficeinte.

33. Deixaria bem claro que sei o significado da palavra “misericórdia”. Apenas escolhi não demonstrar nenhuma.

34. Meus agentes secretos disfarçados não seriam obrigados a usar tatuagens que os identificassem como membros da minha organização, botas militares, ou obedecer qualquer outro tipo de regra ou vestimenta.

35. Não importa o quão eficiente ela viesse a ser: jamais ordenaria a construção de uma máquina que fosse indestrutível, a não ser por um pequeno e virtualmente inatingível ponto vulnerável.

36. Me preocuparia em manter uma avaliação realística de meus poderes e fraquezas. Mesmo considerando que isso acaba com metade da diversão, eu jamais precisaria dizer “Não, não poder ser! EU SOU INVENCÍVEL!!!” (Depois disso, a morte é geralmente instantânea).

37.Se estivesse envolvido em um duelo de vida ou morte com o herói, e fosse feliz o suficiente num golpe a ponto de de tirar-lhe a arma, graciosamente deixaria que ela a recuperasse. Não por ter espírito esportivo, mas porque esta ação inesperada o deixaria tão confuso que seria fácil matá-lo em seguida.

38. Eu não teria um filho. Embora saiba que sua risível tentativa de usurpar meu poder fracassaria facilmente, de alguma forma isto provocaria uma distração fatal em algum ponto.

39. Eu não teria uma filha. Ela seria tão maligna quanto bela, mas bastaria um olhar para o rosto decidido do herói para que ela traísse seu próprio pai.

40. Qualquer item mágico ou tecnológico capaz de ressuscitar milagorsamente um personagem secundário que se sacrificou em nome da rebelião seria imediatamente banido e destruído.

Image

41. Se eu encorralasse o herói, estivesse pronto para matá-lo e ele dissesse “Olhe, atrás de você!!!” eu não diria “Você não espera que eu caia neste velho truque, não é mesmo?”. Ao invés disso daria um passo para o lado e depois meia-volta. deste modo poderia olhar para a área atrás de mim e ainda continuar apontando a arma para o herói. Além disso, o que quer que estivesse vindo na minha direção, agora estaria vindo na direção DELE.

42. Todos os magos confusos, escudeiros atrapalhados, bardos sem talento e ladrões covardes da região seriam preventivamente condenados à morte. Com toda a certeza meus inimigos desistiriam e abandonariam sua cruzada sem a companhia de um “companheiro engraçadinho” para aliviar a tensão.

43. Mesmo que não me importe com isso uma vez que pretendo viver para sempre, eu contrataria engenheiros capazes de construir uma fortaleza forte o bastante de forma que, caso alguém me matasse, ela não desabasse completamente sem nenhuma razão plausível.

44. Se descobrisse que um jovem inexperiente iniciou uma cruzada para me destruir, eu o mataria enquanto ele ainda fosse um jovem inexperiente, ao invés de esperar que ele se tornasse um aventureiro competente.

45. Trataria com respeito e bondade qualquer criatura que eu controlasse por meios mágicos ou tecnológicos. Assim, se o controle fosse quebrado, a criatura não viria atrás de mim em busca de vingança.

46. Se eu descobrisse o paradeiro de um artefato capaz de me destruir, jamais mandaria minhas tropas atrás dele. Ao invés disso, mandaria as tropas atrás de outra coisa qualquer e colocaria um anúncio de “Compra-se” nos classificados do jornal local.

47. Quando capturasse o herói, me certificaria de ter capturado também seu cachorro, macaco, guaxinim ou qualquer outro animalzinho fofo capaz de segui-lo, desamarrar cordas e roubar chaves de guardas distraídos.

48. Vou manter uma dose de ceticismo quando capturar aquela linda rebelde e ela afirmar que está atraída pelo meu poder e boa aparência, e que trairia alegremente meus companheiros se eu a deixasse participar de meus planos.

49. Não vou aprisionar membros de um mesmo grupo no mesmo bloco de celas, ou na mesma cela. Além disso, se eles forem prisioneiros importantes, guardarei comigo a única chave em vez de deixar cópias com cada guarda pé-rapado da prisão.

50. Se um dos guardas de minha masmorra começar a mostrar preocupações com o bem-estar da linda princesa cativa, vou imediatamente transferi-lo para um posto onde não tenha que lidar com outras pessoas.

Espero que tenham gostado das dicas, que Luna os ilumine e até a próxima!

Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. m4lk1e permalink
    13/05/2012 21:59

    De tão concentrado em digitar o texto, acabei me esquecendo da fonte deste texto, publicado em uma Dragão Brasil anos atrás (edição #57)…

  2. Monseha permalink
    14/05/2012 01:34

    Embora eu acredite fielmente que vilão bom é vilão morto, e que RPG deve fazer a alegria dos jogadores e não dos NPCs do Mestre(que geralmente são os vilões), essas dicas são muuuuuuito boas. hehehe

  3. 14/05/2012 08:46

    mesmo assim eu gostei muito! MHAHAHAHAHHA, Isso não é para mestres, é? Se for logo o jogo vai acabar com uma Total Party Kill!

  4. gerbur12 permalink
    14/05/2012 23:58

    Muito bom o post!

    Verdade, graças a Deus, o mal sempre perde no final principalmente por causa da inoperância dos vilões! É nos tropeços dos vilões que o Bem se levanta e tudo acaba bem. Pode demorar, pode ser sofrido para o Bem, mas no final o Bem triunfa.

    “Santa Inoperância a do Mal, Batman”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: